sábado, 26 de setembro de 2015

Artigos Relacionados × +

Alan turing- O Jogo da Imitação



Nunca foi segredo pra quem me conhece a fascinação que tenho por filmes que retratam de alguma maneira as guerras mundiais. Sejam baseados em fatos reais, totalmente fictícios ou até as criticas inteligentes de Chaplin. Essa minha fascinação é masoquista, isto é, me faz sofrer e mesmo assim eu a procuro. Por algum motivo (será que Freud explica?) eu gosto de ver esses filmes que mostram do que o ser humano é capaz, do quando o ser humano pode ser perverso. Quem me conhece sabe também que eu estou sempre envolvido em projetos sociais e sempre buscando resgatar os jovens e tentar dar-lhes as possibilidades para um bom futuro. Tenho uma fé imensa nos seres em formação, acredito que as novas gerações podem atingir um nível de respeito e amor ao próximo que torne o mundo melhor. Sou contraditório, mas isso não importa agora. Trouxe pra vocês esse filme que é genial, reflexivo e intenso.

Venho falar do filme A Maquina da Imitação. A historia se passa no período Segunda Guerra, encontramos uma equipe de pessoas (entre linguistas e matemáticos) que tentam quebrar o segredo da maquina Enigma que é utilizada pelos alemães para passar mensagens criptografadas. Dentre os gênios que tentam vencer a maquina está nosso protagonista, Alan Turing. Ele apresenta-se inicialmente como um sujeito arrogante e prepotente, embora indiscutivelmente muito inteligente. O personagem se desenvolve emocionalmente no decorrer da trama e permite-se aproximar das outras pessoas que trabalham com ele contra a Maquina Enigma. A principal responsável por fazer com que Allan se afrouxe um pouco a arrogância é Joan Clarke, uma moça inteligentíssima e profunda conhecedora do raciocino lógico e matemático. Em determinado momento Allan fica noivo dela para evitar que ela tenha de voltar para a casa dos pais, mas o relacionamento acaba depois de uma discussão. 

Mescla cenas da infância de Alan com cenas dele tentando com toda sua capacidade vencer a Maquina Enigma, para tal ele constrói a maquina que intitulou Christopher em homenagem a seu amigo de infância (Christopher Morcom/ interpretado por Jack Bannon) pelo qual era apaixonado e que lhe apresentou a criptografia. 



Não é um filme voltado para o publico gay, mas em vista de ter um protagonista gay, apresenta assuntos importantes sobre o assunto, um exemplo é o fato de que na época de Turing viveu a homossexualidade era considerada um crime de ‘vícios impróprios’ que o levou a ser sentenciado a ‘tratamento’ hormonal (sua vida findou em um possível suicídio).

É uma obra muito bem produzida, preparada com inteligência, um verdadeiro espetáculo cinematográfico. 

Elenco:

---
Extras


Descobertas de Alan Turing:


1. A Máquina de Turing


Em 1936, com apenas 24 anos, Turing propôs um modelo teórico usado para simular qualquer forma de computação algorítmica, que ficou conhecido como "Máquina de Turing". 

O sistema seria alimentado por uma grande fita, na qual eram escritas instruções de apenas um caractere. O sistema poderia ler uma instrução de cada vez, processando-as de acordo com um algoritmo de códigos predeterminados, movendo a fita para frente ou para trás.

A ideia era revolucionária por ser a primeira proposta para uma máquina com múltiplas funções determinada por um programa armazenado dentro de um cartucho de memória (um software), ao invés de ter uma pessoa alterando fisicamente a estrutura da máquina. 

As máquinas de Turing ainda são usadas na ciência da computação como uma ferramenta de pesquisa e ensino, por serem uma forma simples para demonstrar o que acontece em uma CPU.


2. A solução da Enigma


No começos dos anos 1940, os submarinos alemães estavam dizimando os cargueiros Aliados no Atlântico Norte. O jogo virou apenas 1943, quando Alan Turing desenvolveu a "Bomba", um aparelho capaz de desvendar os segredos da criptografia nazista chamada de "Enigma" 

A complexidade da Enigma - uma máquina eletromagnética que substituía letras com palavras aleatórias escolhidas de acordo com uma série de rotores - estava no fato que seus elementos internos eram configurados em bilhões de combinações diferentes, sendo impossível decodificar o texto sem saber as configurações originais.

Após espiões poloneses roubarem uma cópia da máquina, Turing e o campeão de xadrez Gordon Welchman construíram uma réplica da Enigma na base militar de Bletchey Park. A máquina replicava os rotores do sistema alemão e tentava reproduzir diferentes combinações de posições dos rotores para testar possíveis soluções.

Após quatro anos de trabalho, Turing conseguiu quebrar a Enigma ao perceber que as mensagens criptografadas alemãs continham palavras previsíveis, como nomes e títulos dos militares. Turing usava esses termos como ponto de partida, procurando outras mensagens onde a mesma letra aparecia no mesmo espaço em seu equivalente criptografado.

O primeiro-ministro britânico Winston Churchill afirmaria que Turing realizou a principal contribuição individual para a vitória dos Aliados.


3. O Computador ACE


Ao final da guerra, Turing foi trabalhar em outro órgão de espionagem da Inglaterra, o MI6, onde construiu um "cérebro eletrônico". 

Chamado de Sistema de Computação Automática (ACE), o sistema era tão avançado que poderia calcular cenários matemáticos completos, e não apenas equações individuais. Turing abandonou o projeto após o governo inglês considera-lo complexo e caro demais. Nessa época, Turing já havia deixado o laboratório e estava trabalhando em outro computador na universidade de Manchester, o Mark 1. 

Mas uma equipe do Laboratório Nacional de Física da Inglaterra resolveu construir uma versão menor da série de circuitos propostos por Turing, que ficaria pronta em maio de 1950. 

O primeiro ACE seria o primeiro computador eletrônico e um dos primeiros computadores com software construídos na Inglaterra. Ele era o computador mais rápido do mundo na época, com 1 MHz. Sua memória funcionava por meio de linhas de retardo de mercúrio, capazes de armazenar até 32 bit. Trinta modelos da ACE foram vendidos. Ele foi a base do Bendix G-15, considerado o primeiro computador pessoal, vendido até 1970.


4 . Criptografia de voz


Desvendar a enigma não foi a única descoberta tecnológica de Turing durante a Segunda Guerra. Em 1944, ele desenvolveu um método para criptografar conversas telefônicas, baseado em um trabalho que ele viu nos laboratórios da Bell nos Estados Unidos, em 1942.

Chamado de Deliah, o sistema nunca foi usado pelo governo inglês. Mas Turing levou parte do trabalho de volta para a Bell quando a empresa desenvolveu o SIGSALY, um dos primeiros aparelhos usados para proteger registros de voz, usado para as comunicações mais confidenciais entre os Aliados.


5. O Teste de Turing


Turing pesquisava o conceito de "inteligência mecânica" desde 1941 e uma das primeiras menções do termo "inteligência computacional" foi feita por ele, em 1947.

Em 1950, Turing publicou um estudo que se focava exclusivamente em inteligência artificial. Para ele, não era correto especular se as máquinas poderiam pensar, mas sim se elas poderiam se comportar como humanos.

Para provar isso, ele criou um teste baseado em uma brincadeira comum em festas, chamada de "Jogo da Imitação", onde uma pessoa fingia ser a outra.

Turing sugere uma alternativa de perguntas envolvendo um computador e um homem. Quanto mais perguntas o computador respondesse sem que a outra pessoa suspeitasse se tratar de uma máquina, mais parecido com um humano ela seria.

Desde então, o teste ainda é usado para demonstrar a capacidade de inteligência artificial de máquinas e programas.




___________________________________________________________________________________

fontes:




Você irá gostar

Alan turing- O Jogo da Imitação
4/ 5
Oleh

6 comentários

Escrever comentários
avatar
15 de outubro de 2015 21:02

Oi Augusto, se você conseguir descobrir alguma explicação de Freud me avisa, pois sofro do mesmo mal, e não só com filmes/livros sobre guerras. Canso de ver o mesmo filme que me faz chorar, mesmo conhecendo a história, um horror!
Também gosto de filmes desta época triste, mas este eu não cheguei a ver, por isso estou anotando o nome. Já leu O Menino dos Fantoches de Varsóvia publicado pela NC? Mescla ficção com realidade, um livro muito bom.
Bjs, Rose.

Responder
avatar
15 de outubro de 2015 22:51

Oi Augusto toca aqui amigo, vc não está sozinho, também gosto de ver filmes que se passaram na guerra, eu acho que toda a história mesmo fictícia deixa uma dúvida em nós para tentar saber o que se passa na cabeça das pessoa, eu ouvi falar desse filme, mas ainda não assisti, boa dica.
Bjkas

Responder
avatar
16 de outubro de 2015 19:08

Oláá
Parece ser um filme muito interessante, já ouvi falar e pretendo assistir um dia, o tema é bem interessante e chamativo.

Beijos
http://realityofbooks.blogspot.com.br/

Responder
avatar
17 de outubro de 2015 22:33

Oii. Tudo bem?
Ual que interessante. Também gosto muito de filmes que retratam as guerras mundiais. Filmes mais realísticos.
Amei o post ficou otimo.
Bjs Mary ♥♡♥♡♥♡♥
http://leiturasdamary.blogspot.com.br/

Responder
avatar
17 de outubro de 2015 22:33

Oii. Tudo bem?
Ual que interessante. Também gosto muito de filmes que retratam as guerras mundiais. Filmes mais realísticos.
Amei o post ficou otimo.
Bjs Mary ♥♡♥♡♥♡♥
http://leiturasdamary.blogspot.com.br/

Responder
avatar
24 de maio de 2016 15:36

É os filmes que valem a pena. O interessante é que O jogo da imitação, em princípio, parece-II Guerra Mundial. Tem soldados, tanques, ecos de bombas, a sombra de Hitler. Avanços, percebemos que abrange mais do que um evento histórico. abrangido pela presente de nossas vidas. Alan Turing foi um herói injustamente esquecido. Turing não existiria sem Bill Gates ou Steve Jobs não teria existido. Mesmo algumas lendas atribuído à Apple Turing Wolf.

Responder