sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Artigos Relacionados × +

Quebrado (Gabriel Cunha)


Deliciosamente cruel, perfeito, inacreditável.
Alguns livros depois de lidos deixam uma mensagem clara em relação à seus títulos: foram absolutamente bem escolhidos. Quebrado é indubitavelmente um desses livros e você, amigo leitor, vai entender bem o porque quando ler seu exemplar desse livro fantástico. Li esse livro com instinto devorador, ansiava por aprofundar-me cada vez mais nesse mundo onde criaturas de luz e sombra tecem suas tramas. Podia sentir as três parcas rindo do meu destino, cientes de que essa história tão bem preparada me deixaria em pedaços. Estou profundamente quebrado. 


SINOPSE:
Narrado em duas vozes e fases diferentes, Quebrado nos leva ao complexo e misterioso mundo dos irmãos Valentinos, onde Henrique, um garoto que teve sua vida marcada pela tragédia tenta encontrar equilíbrio e paz, sem saber que nem todo sonho pode tornar-se real e que o pior de seus pesadelos o aguarda para concretizar-se.
Do lado oposto, Davi tenta proteger sua família de um inevitável desastre enquanto luta para tentar ajudar seu irmão viciado em drogas.
Um livro sobre amor em sua forma mais plena. Sobre perdão, reconciliação e desafios. Sobre a luta pela existência e os que sobrevivem a dor da perda.


O livro Quebrado faz parte de uma série de livros do autor Gabriel Cunha, inicialmente foi autopublicado e agora passará a ser publicado pela Editora Dalle Piagge. A série será composta por quatro títulos, alguns que ainda não foram publicados: Escuridão/ Quebrado/ Vida/ Inverno. No decorrer das publicações vocês poderão acompanhar as novidades aqui no blog.

Dentro do universo desse livro algumas criaturas cheias de mistério e poder são apresentadas. Há uma dualidade, de uma lado os Valentinos que possuem dons especiais e que não procuram machucar ninguém, do outro lado as perversas Darksides que não exitam em esmagar quem desafiar seus planos. Ambas as criaturas são fisicamente iguais aos seres humanos, no caso dos Valentinos eles se diferenciam apenas por uma mudança na colocação dos olhos que acontece à noite. O mundo humanos segue seus costumes sem se dar conhecimento de tais criaturas, a não ser por alguns poucos humanos que lamentavelmente cruzam o caminho delas. 

A história é contada sob duas perspectivas, inicialmente de Henrique, um garoto que vivia num lar marcado pelo relacionamento abusivo do pai com a mãe, que era continuamente agredida diante dele até que um momento trágico mudou definitivamente a vida do garoto. Entre lágrimas e desespero o garoto chega sem bem entender como numa casa de vidro que mais parece um refugio de paz. Sua vida parecia ter sofrido uma reviravolta, talvez ele houvesse sido agraciado pelos deuses e presenteado com esse lugar onde os Valentinos o trataram tão bem, mas no mundo sempre há luz e trevas e os desafios nunca cessam. Sua narrativa se encerra nos deixando cheios de dúvidas e anseios por saber mais sobre seu futuro. Na segunda parte do livro o narrador será contado por Davi, um Valentino admirável que luta para ajudar ao próximo e que fará o que puder para resgatar seu irmão do perdição de drogas, bebida e lamentação em que ele se enfiou. Entre a primeira narração e a segunda há uma longa passagem de tempo. 

O prologo do livro revela informações importantes e narra acontecimento que há muito antecede a vida de nossos protagonistas. Cada capitulo é bem dosado e alguns iniciam-se com seletos trechos de músicas criando um clima sui generis a leitura. 

Senti a leitura tão fluída em Quebrado que devorei o livro em apenas um dia, são cento e poucas páginas instigante e de profundidade. A maneira como os personagens são apresentados, seus conflitos e sentimentos mechem com o leitor. Ainda há muito o que se descobrir nessa série e isso aumenta ainda mais a curiosidade sobre o destino de cada um. Posso dizer que certamente comecei meu ano com leituras marcantes e agora vou contar os dias,meses até que todos os livros sejam publicados e eu possa novamente ir de encontro a esse mundo. Leia quebrado estando preparado para amar, odiar, alegrar-se e sofrer. Há na obra uma poesia dolorosa, anima, inspira, magoa. 
Passei entre outras árvores, a chuva começara a cair torrencialmente. Sara me olhou, parecia atordoada com o que acontecia. Joguei Gisele contra uma árvore, ela caiu se levantando lentamente, cravando as unhas na terra como se fossem garras, praguejando. Uma delas enfiou um punhal no peito de um dos humanos, ele gritou de dor, o desespero estampado em sua face.

Você irá gostar

Quebrado (Gabriel Cunha)
4/ 5
Oleh

1 comentários:

Escrever comentários
avatar
24 de janeiro de 2016 23:00

Olá Augusto.
Infelizmente a resenha não me atraiu muito.
Mas achei bacana você devorar o livro hehehe leituras que são rápidas assim deve ser boa para ler tão rápido.
Quem sabe algum dia tenha oportunidade de ler e acabe gostando né.

Beijos
http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/

Responder