quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Artigos Relacionados × +

Comentando um conto : Doutor sádico/ Truco!/Pouco antes da Virada (Carlos Patrício )

Nesta sessão "Comentando um conto" falarei de três contos do autor Carlos Patrício, presentes no Delirium 

Doutor Sádico

Para ler alguns contos é preciso ter certa coragem e audácia. Medo e excesso de pudor podem afastar o leitor de contos mais tensos, e nem por isso menos valorosos. No conto "Doutor Sádico" o autor consegue lidar com dois tempos distintos, passado e presente, intercalando-os de uma maneira inteligente e envolvente. Seu livro não poderia ter outro nome que não "Delirium. Os personagens do conto se diferem profundamente em ideais. O vilão representa o que há de pior na humanidade, a capacidade de desprezar a vida do outro e manipulá-la a seu bel prazer, ignorando quais sejam os absurdos envolvidos nesse entendo. O outro personagem, a vítima, tem de lutar em meio à dor física e confusão mental, preso num antro de puro horror e cheiro de morte. 


Li com o coração acelerado, a garganta ruidosa e minha esperança em questionamento. Não sabia o que esperar do horror que afligia a vitima. Seu algoz, um psicopata intelectual versado nas literaturas mais perversas que a humanidade produziu, cita de desde o Conde de Lautréamont até Hitler, enquanto fere a corpo e confunde a mente do seu brinquedo de prazer insano. Travam uma batalha, onde astúcia e lábia são poderosas armas, que devem superar mesmo o perigo das laminas. 


Esse vilão certamente figura entre os personagens mais dementes que já conheci. Dentre as atrocidades de seus assassinatos e torturas infinitamente cruéis ele ousa ferir mesmo crianças. É um personagem que nasceu para ser odiado e que nunca poderá se redimir. Pedófilo, estuprador, assassino, necrófilo. Justamente por ser tão terrível o vilão é que eu dou pontos a mais para esse conto, nós leitores, precisamos encontrar personagens assim, mesmo sendo amantes da fantasia não nos esqueçamos que a linha que separa o real do imaginário é tênue e que os fantasmas de nossos pesadelos estão no mundo real. Temos de reconhecer a humanidade em nós e como os seres são falhos. Não, não quero lançar uma veia de pessimismo e medo, é apenas um ponto para refletirmos, para vermos até que ponto podemos ir pelo que acreditamos ser o melhor para nós, o egocentrismo é uma semente de perversão nos seres.


A estória finda de maneira surpreendente, o que não revelarei, mas deixarei que o leitor curioso imagine, ou mesmo busque o conto e descubra também seu caminho nesse conto de luz e trevas. 


Indo além da estória por estória, o livro ainda nos traz citações de grandes autores, alguns cruéis devo lembrar e outros considerados os mais geniais de seus tempos. Muitas curiosidades são apresentadas e muitos questionamentos sobre nos mesmos são lançados. A figura do Doutor Sádico me faz lembrar o pensamento poético de que uma ideia pode resistir ao tempo, e mesmo a morte, para quem sabe um dia crescer e atingir seu propósito. Lembra-me também dos meus próprios questionamentos sobre a fé, em especial no que se relaciona com a afirmativa "a fé move montanhas". Vejo a fé não no sentido puramente religioso, mas na ideia de "acreditar em algo". Grandes vilões e heróis da historia, e também das estórias, só se tornaram personagens inesquecíveis por lutarem com toda força pelo que acreditavam, alguns a qualquer custo. Pensando o bem e o mal como algo relativo, me é difícil ainda deduzir o que é herói e vilão. Eu mesmo tenho um ideal de moral que não condiz com a grande massa, valorizo a bondade e a caridade acima de qualquer religião ou ideal político.

Ah, deixo um aviso, além das grandes atrocidades presentes no conto, temos ainda uma discussão um tanto acida e quase lúcida, sobre o valor da religião. Assim só recomendo que leia o conto que estiver disposto a discutir consigo mesmo tal tema. Questionar-se é preciso (e precioso).



Truco!

O que é a morte? O que será de nós quando o corpo for dado aos vermes? Simples cadáveres ou almas evoluídas plainando num infinito de paz e luz, ou ainda sombras imersas no fogo infernal? Quem é que pode saber...

O conto "Truco!" traz uma estória curiosa, um final que embora eu já suspeitasse não foi menos prazeroso. Os acontecimentos se desenvolvem a partir de uma mesa de amigos jogando truco que são subitamente surpreendidos por um assaltante. O desenrolar da estória traz a morte para a cena e nos deixa um questionamento na fala do narrador-personagem "Quando a ficha caiu, meu sono se deparou com as barreiras da reflexão [...] Não viver... é assombroso meditar sobre a ideia". 

Eu devo admitir, refletir sobre a morte não me agrada nem um pouco. O simples pensamento de parar de produzir historia e estórias perturba-me. Afinal, o que nos aguarda? Se o paraíso, que paraíso seria, o dos cristãos, muçulmanos, hindus? E se for apenas o NADA? Detesto essa possibilidade, mesmo que se estando no nada não poderemos sofrer por essa condição, ainda detesto a ideia de tornar-me sem existência, sem memória e logo absolutamente improdutivo. E vocês, amigos leitores, como enxergam a morte? 


Pouco antes da Virada


O conto "Pouco antes da virada" traz em suas duas paginas reflexões que tornam a nos fazer questionar sobre nós, sobre a morte e o egoísmo. Vemos um sujeito declarar em versos poéticos seus desejos de vida e morte. Afirma os fatos cruéis que a vida lhe ordenou e pergunta-nos se é mesmo ou não egoísmo desejar que com sua morte o mundo todo se exploda. Não sei, talvez seja. Afinal quando morremos bem pode ser que nosso mundo, nosso ego, se exploda e nada mais nos reste, nem mesmo flutuar no vazio. 



Informações sobre o Livro :


Titulo: Delirium

Autor: Carlos Patricio

Ilustrador: Cassio Gois

Edição: I

Editora: Página 42 Editora

Ano: 2014

Paginas: 228


Para falar com o autor e mesmo saber como adquirir o livro: 

Carlos Patrício  

Você irá gostar

Comentando um conto : Doutor sádico/ Truco!/Pouco antes da Virada (Carlos Patrício )
4/ 5
Oleh

2 comentários

Escrever comentários
avatar
8 de janeiro de 2015 11:00

Passando pra desejar uma ótima semana, bjs.

Responder
avatar
9 de janeiro de 2015 16:42

Muito obrigado, Viih. Paz, luz e inspiração pra nós sempre :*

Responder